OUROBOROS, eletrizante do começo ao final

outubro 08, 2015 JReonarudo 0 Comments

Já fazia algum tempo que não acompanhava um dorama do ano corrente. O último foi o Soumatou Kabushikigaisha, um dorama de suspense bem ao estilo que gosto: Muitas perguntas são feitas ao longo do episódio e as respostas vêm uma a uma, com um final surpreendente.

Os dois dragões: Ouroboros, Danno Tatsuya e Ryuuzaki Ikuo (Oguri Shun e Ikuta Toma)
O mesmo pode ser colocado para Ouroboros, o dorama que citarei aqui e que já citei na página pela sua qualidade técnica: Iluminação, maquiagem, figurino, diálogos, construção dos personagens, história. Estava pensando se minha reação era pelo longo tempo sem ver doramas, mas não. O dorama é realmente muito bem feito.

Com um elenco que não deixa nada, mas NADA a desejar, temos o Oguri Shun (Binbo Danshi/Hana Yori Dango/GTO/Summer Snow/Hanakimi), Ikuta Toma (Hanakimi/Maou), Ueno Juri (Nodame Cantabile/Last Friends) e Ryoko Hirosue (Summer Snow)

"VAMOS NOS VINGAR PELA YUIKO-SENSEI"

Ryuuzaki Ikuo (Ikuta Toma) e Danno Tatsuya (Oguri Shun) se unem para vingar a morte de Kashiwaba Yuiko (Ryoko Hirosue) ocorrida em um orfanato em 1995 (Mahoroba) e para isso tentam alcançar o máximo de poder que conseguirem, visivel (Polícia) ou invisivelmente (Yakuza) para poderem confrontar o assassino: Uma corrida para encontrar as pessoas e as informações, antes que elas sejam apagadas.

Yuiko tinha muito carinho pelas crianças do Mahoroba: Para ambos, Ikuo e Tatsuya, abandonados pelos pais, ela foi a família deles e quando sua vida foi tirada, ambos fizeram um juramento em busca de vingança.

Hibino Mizuki (Juri Ueno) é uma policial respeitada, mas trabalha na segunda divisão de policiais da Metropolitana de Tóquio, por escolha própria. Ao começar a investigar o grupo de Tatsuya, descobre também ligações dele com Ikuo. Mizuki não tolera desvios de caráter e diz a Ikuo que caso tenha relações com Tatsuya, que não iria querer mais vê-lo. Mizuki e Ikuo são o casal do dorama Ouroboros.

Ryoko Hirosue é uma das atrizes que mais aparecem no dorama. As cenas do começo ao final se complementam, e o último episódio é completamente esclarecedor. Rumores se formam ao longo do dorama: Quem matou quem? Quem ordenou a morte de quem? Essas perguntas são respondidas no último capítulo do dorama, eletrizante do começo ao final.


Atenção, daqui pra frente é SPOILER MESMO, junto com o review.

Fica claro ao longo do dorama, que de alguma forma, as intenções de Ikuo e Tatsuya são diferentes: Tatsuya amava Yuiko porque ele se parecia muito com ela, por ela ter o acolhido: Em um dos episódios, Tatsuya diz que "nunca se sentiu acolhido nos lugares, e que com Yuiko foi completamente diferente". Tatuou o desenho do pingente de Ouroboros nas costas, enquanto que o objeto em si ficou com Ikuo, que a via mais como mãe.

O pingente era uma das chave das coordenadas onde estavam as fitas que desvendariam o maior mistério do dorama, que falarei mais adiante.

Tatsuya queria a qualquer custo subir na organização e Ikuo na carreira de policial, a fim de chegarem nos policiais que simplesmente ignoraram a morte de Kashiwaba Yuiko.

"VOCÊS NÃO SABEM DE NADA, VOCÊS NÃO VIRAM NADA"


Um policial com um relógio de ouro disse a Ikuo e Tatsuya ainda menores, que esquecessem o fato ocorrido naquela noite chuvosa. Coletando evidências e resolvendo casos, Ikuo subiu na carreira. Todos os casos que Ikuo (Ikuta) resolveu, tinha relação com Tatsuya (Oguri). Justamente o plano dos dois estava em ação: Um subindo como Yakuza, outro como policial. Porém, Mizuki (Juri) percebeu o movimento dos dois e aí começou uma suspeita de que Ikuo, um policial, estaria colaborando com um Yakuza. Ela não sabia o motivo.

Ikuo tem vários momentos em que lembra da noite do assassinato. Pouco a pouco, se lembra dos rostos das pessoas que mataram Yuiko, mas não se lembra da pessoa que o levou a Mahoroba e tampouco a pessoa que viu discutindo com ela antes do acontecido.

Tatsuya fica sabendo das suspeitas e começa a agir de forma mais cautelosa: Pergunta se Ikuo realmente quer colaborar ou se envolver com Mizuki, e que uma escolha deverá ser feita.

O pai de Mizuki, Kunihiko Hibino, por muitos episódios perdura como o grande suspeito de todo o dorama, de ter assassinado Kashiwaba-sensei (Ryoko Hirosue) e por isso, Ikuo Ryuzaki o encara com raiva, por ser um dos Kintokei (que tem o relógio de ouro)

Em meio a tudo isso, há o assassinato de vários policiais, além de uma tentativa de assassinar o Comissionário, que acaba baleado.

Uma das pessoas que tinha indícios do que tinha ocorrido em Mahoroba era um líder de um grupo rival do de Tatsuya: Este líder repassou os indícios a uma outra pessoa: Ambos foram assassinados por duas pessoas, que são da Segurança Pública, invisíveis perante a sociedade. Estas duas pessoas passam a ser o alvo de Tatsuya e Ikuo, que passam a caçá-los, e conseguem encontrá-los em um parque de diversões: Um acaba morto e outro aceita "colaborar".

"O PROJETO OUROBOROS"


Já perto do fim, Tatsuya descobre informações em um pendrive, referente a um cirurgião renomado, que fez parte do projeto Ouroboros. Há suspeitas de que o orfanato tinha sido criado para que os órgãos destas crianças fossem utilizados em transplantes. Tatsuya, enojado, vomita, tamanha a crueldade.

Mizuki tem certeza que há alguma coisa entre Ikuo e Tatsuya: Não sabe o que é, mas demonstra apoio a Ikuo, por amá-lo. Diz que "depois de tudo acabar, que poderia esquecer o que passou".

Nisso, Mizuki visita Ikuo e sem querer leva um pingente, o pingente que Yuiko usava, o pingente de Ouroboros, chave do mistério que desvenda o dorama inteiro.

Assim que percebe, pede que se faça uma análise, se há algo escondido no pingente, e encontra um número. A segurança pública percebe, e tenta capturar Mizuki. A qualquer custo, a segurança pública age para apagar todos os rastros do projeto Ouroboros.

Um homem então, captura Mizuki e leva para um cativeiro, onde conta a ela tudo o que aconteceu em Mahoroba. Finalmente Mizuki soube qual era a relação entre Ikuo e Tatsuya. Assim, com a promessa de livrar a filha do cativeiro, Kunihiko Hibino dá ao homem outro número, que combinado ao o do pingente, dará uma coordenada.

"O RETORNO A MAHOROBA"

A combinação entre os números daria bem onde ficava o antigo orfanato Mahoroba, 20 anos atrás. Tatsuya, Mizuki, Kunihiko e Ikuo se encontrariam por lá. Ninguém imaginava entretanto que Kunihiko fosse assassinado. Não era ele portanto, o culpado.

Tatsuya chegou antes e conseguiu levar as fitas, onde estava gravado um depoimento pela Yuiko. Fica sabendo então da inocência do Kunihiko e quem é o culpado: O comissionário, que é pai de Ikuo.

Mahoroba teria sido de fato, criado para que quando crianças tivessem necessidade de transplantes, recorressem ao orfanato. Yuiko, soube disso depois e quando chegou o momento de levar todas as crianças (sete haviam sido sacrificadas), deu sua vida pelas crianças e Kunihiko queria assegurar que todas as crianças ficassem bem.

"O ATAQUE FINAL"


Um dia antes do (ex-)Comissionário se render, pois já sabia que ia ser condenado, uma vez que as fitas com a confissão de Yuiko estavam com a Polícia, Danno Tatsuya e Ryuuzaki Ikuo vão à casa dele para confrontá-lo e saber quais os motivos.

Danno acaba baleado pelo filho mais novo do comissionário. Danno revida, mas acaba atirando no Comissionário, pois ele se pôs na frente para salvar o filho mais novo (Não o Ikuo).

Tal como Yuiko salvou a vida das crianças do orfanato, o Comissionário salvaria a vida do filho mais novo. A ironia do dorama.

"REVIRAVOLTA"


Foram 20 anos de procuras e incertezas, para no final, não se vingarem. Danno ordenou para que Ikuo não matasse o Comissionário. Diante do choro do "irmão mais novo", Ikuo recuou. E partiram rumo a Mahoroba.

"COMEÇO E FIM. MORTE E RESSURREIÇÃO"



Com Danno Tatsuya já morto, Ikuo chega a Mahoroba. Bem onde se conheceram. E lembrou do Omelete de arroz que Yuiko preparava para ambos, seu prato favorito. Em meio a uma cena melancólica, Ikuo tira sua própria vida.

NOTA E OPINIÃO

Se pudesse dar uma nota a este dorama, seria 8,5. Um dorama que me surpreendeu com a qualidade de produção.

TBS, vocês estão realmente de parabéns pelo ótimo dorama que entregaram e os 10 pontos de audiência lá no Japão, embora a audiência seja bem fragmentada, merecia um pouco mais =)

A instrumental do Ouroboros é perfeita e encaixa em cada momento do dorama. O tema do Arashi já me viciou aqui e só no loop aqui. Ueno Juri simplesmente mostrou uma atuação brilhante a cada momento, nos momentos de tensão e tristeza.

A dupla Oguri-Ikuta surpreendeu. Após vê-los em ação em uma comédia como Hanakimi, e depois em um suspense como Ouroboros, é de tirar o chapéu pela atuação forte dos dois. As lutas dos dois pareceram bem convincentes e o dorama é perfeito pra quem gosta de tensão e suspense em um dorama. Final surpreendente, mas deixa uma lição.

Afinal, se Danno ou Ikuo assassinasse o Comissionário, o filho mais novo iria querer vingança. E o ciclo de sofrimento continuaria. A família do comissionário foi morta em uma chacina também. O ciclo chegou no Ikuo. Mas não chegou no filho mais novo do comissionário, poupado de ver o pai morto por pessoas que ele mesmo não conhecia (porque eram estranhos de fato para ele)

Yuiko-sensei na parte final do dorama, diz:

"Mesmo no fim do fim, vocês não cometeram o erro"

E talvez essa seja a lição em um dorama em que alguns personagens que poderiam parecer antipáticos, eram os bons e os simpáticos, os piores... Pra quem assistiu, comenta lá no facebook o que acharam. Ouroboros, um dos melhores doramas que já vi e talvez o melhor do ano (?) Comentem lá! =)

Você pode gostar de: