Tada, Kimi wo Aishiteru: Um filme emocionante que fala sobre a dor de perder alguém querido.

outubro 16, 2016 #Leo 1 Comments


Existem filmes que marcam pra sempre. Um deles é o 'Tada, Kimi wo Aishiteru', que vi há muitos anos. Sinceramente eu me recordava pouco do filme pra fazer uma postagem sobre, então eu revi o filme e pude entender várias coisas que talvez por ser criança eu não entendi muito bem.

Tada, Kimi wo Aishiteru teve sua estreia em 28 de outubro de 2006. Sim, há 10 anos!

Mas mesmo não me recordando tanto, eu ainda mantinha com muito carinho este filme, foi um dos primeiros filmes japoneses que vi. Hoje eu percebi porque até hoje tinha apreço por ele. Tada, Kimi wo Aishiteru é bom e te faz pensar no como às vezes a vida pode ser cruel.

O filme gira em torno de três personagens. Vamos a cada um deles:

Makoto (interpretado por Hiroshi Tamaki) é um cara que acaba de entrar na faculdade e vivia incomodado pois achava que o cheiro do seu remédio (ele tinha uma alergia (?) na pele) irritava as pessoas e com isso vivia afastado dos colegas.

Shizuru (Aoi Miyazaki) encontra Makoto no caminho da faculdade para a cerimônia da abertura e ele tenta ajudá-la. Ela trata Makoto com carinho e nunca escondeu que gostava dele.

Miyuki (Meisa Kuroki) é quem chama Makoto para socializar com os amigos dela, já que ele vivia solitário. Makoto se apaixona por ela e dois começam a namorar.

Na real, a história foca mesmo é no Makoto e na Shizuru. A Miyuki meio que fica por fora deste contexto.

Como eu disse, a Shizuru nunca escondeu que gostava do cara, mas ele vivia pensando na Miyuki.

Shizuru escondeu muitas coisas do Makoto durante anos, como que ela tinha uma doença rara que se desenvolvia com o crescimento (mantinha até dente de leite) e que talvez por isso ela tentava amenizar essa passagem de fase.

A coisa do dente de leite é bacana, pois isso aí. Tem uma parte do filme que mostra que o dente dela caiu e que portanto ela estava passando pra "fase adulta", vamos dizer assim.

Shizuru até diz a Makoto na brincadeira, que um dia vai se tornar uma grande mulher e que ele vai se arrepender de não ter ficado com ela. Acho que o fato é que ele mesmo não imaginava o final da história. É, ele realmente não sabia. Se soubesse...

Makoto e Shizuru tem um lugar onde os dois passam juntos, tiram fotos e se beijam pela primeira e única vez. Essa é uma das partes mais dolorosas do filme, pois depois dele ensinar Shizuru a como fotografar e do beijo que tiveram, chego a pensar que o próximo passo era o Makoto pedir a Shizuru em namoro, mas não foi isso.

Ela queria viver a vida dela de forma independente. Então Shizuru viajou pra Nova Iorque, correu atrás para poder trabalhar como fotógrafa e enquanto isso o cara praticamente enlouqueceu.

Pra ele era muito óbvio que depois do beijo, ia rolar mais coisas e tal (incluindo namoro, sei lá) ele nunca ia esperar que a garota ia sumir do mapa (depois de trancar a faculdade).

Ele já não gostava mais da Miyuki. Ele estava enlouquecendo pela Shizuru mesmo. Ele até lamenta não ter avançado um pouco mais.

Depois de anos, ele mesmo vai pra Nova Iorque depois de receber uma carta da Shizuru e estava certo de que ia reencontrar a amada. Não foi isso que aconteceu. Quem foi ao encontro de Makoto foi a Miyuki, que disse que Shizuru estava a trabalho em outro local e que por isso não poderia reencontrá-la. A mentira não dura muito e Makoto descobre que Shizuru faleceu.

[...]

Makoto não sabia que isso ia acontecer, como eu disse lá em cima. Essa era uma das mentiras da Shizuru, que ela manteve até o final (sobre a doença que ela tinha).

A Shizuru se desenvolveu e se tornou uma mulher admirável, que ele só pôde olhar por uma foto. (Olha só a sacada do filme)

Quando você acha que não podia ficar mais triste, ele pede à Miyuki para enviar o restante das cartas da Shizuru, já que "ele queria ser enganado um pouco mais".

E ainda por cima, vem a música da Ai Otsuka, Renai Shashin, uma ballad que é fenomenal, mas triste pra caramba.

"Sempre as despedidas vêm antes dos sentimentos. Mesmo assim, todos dizem sorrindo: Tchau, vamos nos encontrar um dia"

Filme triste, mas bem bonito e tocante. Na real, podia exibir esse filme daqui uns 10 anos e seria do mesmo jeito. Recomendo sim vocês verem. Se forem muito sensíveis, preparem os lenços que o negócio não é fácil. Esse lance de perder uma pessoa querida do jeito que foi no filme, sem poder ter uma despedida, é algo que acontece. Ainda mais doloroso quando não consegue dizer à pessoa que a amava. Com certeza fará muitos se emocionarem. 

Você pode gostar de:

1 comentários:

Silvia Crispim disse...

Já assisti esse drama, é realmente lindo, chorei muito... é emocionante,sensível,tocante...